A verdadeira história por trás do filme Invocação do Mal

Família Perron
Família Perron – Filme Invocação do Mal

Desde seu lançamento, o filme Invocação do Mal trouxe muito alarde para o mundo do terror. Mas você conhece a verdadeira história por trás do filme? Em 1970, o famoso casal Roger e Carolyn Perron compraram sua casa, a Fazenda Arnold, que tinha quase 81 mil m², localizada na estrada Round Top em Harrisville. Essa casa possuía 10 cômodos e foi contruída em 1736. Suas filhas Nancy e Christine Perron compartilhavam um quarto, e Cindy e April outro. Andrea, a quarta filha tinha um quarto só para ela.

Fazenda Arnold
Fazenda Arnold – Filme Invocação do Mal

Desde o início de sua moradia, a família Perron percebeu coisas estranhas na casa. Oito gerações de famílias que moraram na casa, faleceram no mesmo local, não só de mortes naturais. Vários suicídios (enforcamentos e envenenamentos), incluindo o da Sra. John Arnold que se enforcou no celeiro com 93 anos, o estupro e assassinato de uma menina de 11 anos, Prudence Arnold, que acreditam ser obra de um peão da fazenda, 2 afogamentos no riacho perto da casa e 4 homens que bizarramente congelaram até a morte por lá!

Celeiro onde muitos moradores se enforcaram
Celeiro onde muitos moradores se enforcaram – Filme Invocação do Mal

Não demorou muito para a família Perron entender o por que o vendedor da casa disse “Deixem as luzes acesas durante a noite”, em seu primeiro dia.

Todo começo é bom, tranquilo e sereno, mas havia muita presença de espíritos pela casa. Os fantasmas eram inofensivos e eram descritos como “opacos” ou “pouco sólidos”. Um deles cheirava a flores, já outro ia gentilmente dar um beijo de boa noite nas filhas em suas camas, todas as noites. Uma aparição era uma presença sempre bem-vinda na casa, possivelmente era um fantasma feminino.

A família sempre ouvia o barulho de alguém varrendo a cozinha, mas quando entravam no cômodo, encontravam a vassoura em outro lugar, com um monte de sujeira varrida no meio do chão, esperando para ser jogado fora.

Cozinha da Fazenda Arnold - Filme Invocação do Mal
Cozinha da Fazenda Arnold – Filme Invocação do Mal

Existia outro espírito que as crianças amavam, era Manny. Esperavam que ela seria o espírito da Sra. John Arnold. Sua aparição era meio bizarra, ela ficava muitas vezes em pé assistindo silenciosamente as atividades diárias e mantinha um sorriso no rosto, se divertindo com as brincadeiras das meninas.

Além das aparições de fantasmas e espíritos, a família presenciou muitos fenômenos inexplicáveis: camas levitavam, um telefone flutuou e caiu batendo em sua base quando alguém entrou na sala e vários objetos flutuavam também pela casa. Várias vezes cadeiras eram puxadas de repente de um convidado e as fotografias caíam das paredes. Uma vez, os Perron relataram ter visto sangue vazando de uma parede, se dissolvendo do nada!

Mas perante essa situação, nem tudo era um mar de rosas. Nem todos os fantasmas eram bons e amigáveis. Alguns puxavam as pernas e cabelos das meninas no meio da noite, outros batiam na porta da frente com uma força bruta que a casa inteira chegava a tremer! Um deles torturava Cindy (8 anos) dizendo a ela “Há sete soldados mortos enterrados na parede”, incessantemente. Mas, o fantasma mais assustador era Bathsheba Sherman. Ela foi uma bruxa praticante do satanismo que tinha morado na casa no início do século 19, morrendo ali mesmo se enforcando numa árvore atrás do celeiro. Ela tinha como alvo principal a Sra. Perron. Como a família não era religiosa, Bathsheba se aproveitou da situação para atacar de forma particularmente violenta.

Bathsheba era desprezível e uma criatura horrível e seu rosto era “semelhante a uma colmeia de abelhas desidratada” coberto por teias de aranha, sem característica humana, exceto pelos vermes que rastejavam através de fissuras em sua pele enrugada do rosto. Sua cabeça era redonda e cinza, inclinada para um lado como se seu pescoço tivesse sido quebrado, além de exalar um cheiro horrível que impregnava o quarto quando ela estava presente.

Ela nasceu em 1812 em Rhode Island e se casou com Judson Sherman em 10 de março de 1844. Sua vida foi de extrema solidão, excluída da sociedade onde vivia e depois foi acusada de ter matado um bebê como sacrifício a Satanás, mas, por falta de provas, o caso foi abandonado. Também conhecida por brutalizar seus funcionários, ela os deixava passando fome e agredia-os por nada. Dia 25 de maio de 1885, Bathsheba morreu e sua aparência era bem sinistra: seu corpo tinha se solidificado assustadoramente, quase uma pedra!

 

Cemitério onde há o túmulo de Bathsheba Sherman
Cemitério onde há o túmulo de Bathsheba Sherman – Filme Invocação do Mal
Sepultura de Bathsheda Sherman
Sepultura de Bathsheda Sherman – Filme Invocação do Mal

Seu espírito odiava Carolyn, mas amava Roger. Enquanto ela tocava e acariciava o Sr. Perron, torturava sua esposa, tratando-a de forma cruel, dando beliscadas, estapeadas e tendo objetos jogados em cima dela. Ao descobrir que Carolyn tinha medo de fogo, Bathsheba não perdeu tempo, batia tochas contra sua cama, exigindo que ela saísse da casa imediatamente. Com o passar do tempo, as torturas foram aumentando. Um dia, Carolyn examinou sua perna e achou um ferimento grande que parecia ser feio por uma agulha de costura.

Em um artigo publicado no jornal local de 1977, foi descrito a aparência de Bathsheba: “A Sra. Perron disse que acordou uma manhã antes do amanhecer e encontrou uma aparição ao lado de sua cama: a cabeça de uma velha pendurada de um lado sobre um velho vestido cinza. Havia uma voz reverberando: ‘Saia. Saia. Eu vou levá-la para fora com morte e tristeza.”. Depois de várias tentativas fracassadas de tentar expulsar a Sra. Perron de casa, Bathsheba tentou invadir seu corpo. Todos assustados achando que Carolyn havia sido possuída, chamaram Ed e Lorraine Warren (investigadores paranormais).

Ed e Lorraine Warren - Filme Invocação do Mal
Ed e Lorraine Warren – Filme Invocação do Mal

Por vários anos eles ajudaram a investigar paradas sombrias e possessões demoníacas, e em muito de seus casos foram capazes de convencer o Vaticano a realizar exorcismo dos espíritos que encontravam. Após uma de suas palestrar públicas, os Perron entraram em contato e os insistiram para ajudar.

Na noite do exorcismo de Carolyn, a filha Andrea contou: “A noite em que pensei que veria minha mãe morrer foi a noite mais terrível de todas. Ela falou com uma voz que nunca tínhamos ouvido antes e uma força que não é deste mundo a jogou a 6 metros de distância em outra sala”.

E que fim levou?

O final da pérola infelizmente não foi o mesmo que o do “Invocação do Mal”. A real história conta que os Warren não conseguiram liberar Carolyn e a família da possessão. Ela lembrou da noite horrível em que Bathsheda entrou em seu corpo e explicou que perceberam que as coisas só pioraram, apesar das intenções do casal Warren. Roger então achou que a melhor saída era que o casal saísse da casa imediatamente.

O antigo proprietário da casa e sua família haviam contratado um empreiteiro para reformar a fazenda. Enquanto estava fazendo seu trabalho, o empreiteiro parou do nada de trabalhar e simplesmente fugiu. Dizem que ele saiu gritando da casa, deixando tudo para trás. Os proprietários acabaram não se mudando para a casa, na qual permaneceu vazia por anos, antes da família Perron se mudar.

Mesmo com todos os fatos estranhos e bizarros acontecendo, por falta de dinheiro os Perron se mantiveram durante mais de 10 anos na fazenda. Sem poder fugir, enfrentaram e suportaram todos os espíritos de boa e os macabros, mas em 1980, Carolyn insistiu tanto para sair da casa, que se mudaram para Georgia.

De acordo com Andrea, uma das filhas do casal, a atual proprietária da casa Norma Sutcliffe, que comprou a casa em 1983, contou que ela e seu marido Gerry tiveram experiências bizarras e paranormais na casa, incluindo portas batendo, sons de pessoas conversando, sons de passos ao redor da casa e cadeiras vibrando. Afirmaram também que chegaram a ver uma luz azul brilhante disparar através do quarto, uma névoa flutuando pelos cômodos, vibrações nas paredes intensas que achavam que a casa ia desmoronar e uma mulher idosa, de coque no cabelo, andando em silêncio pela casa toda!

Sua filha, Andrea, escreveu uma trilogia de livros sobre suas experiências na casa (House of Darkness of Light I, II e III), além de fazer várias palestras sobre o tempo em que viveu lá.

Na escada de baixo estão sentadas as atrizes que interpretaram as cinco filhas dos Perron, e na escada de cima, respectivamente estão sentadas as verdadeiras filhas que passaram pelo terror em Harrisville - Filme Invocação do Mal
Na escada de baixo estão sentadas as atrizes que interpretaram as cinco filhas dos Perron, e na escada de cima, respectivamente estão sentadas as verdadeiras filhas que passaram pelo terror, na frente da famosa casa – Filme Invocação do Mal

Leia também: A história de Ed Gein: o cara que inspirou o filme “O Massacre da Serra Elétrica”

Fonte: A Hora do Medo e Assombrado

Comments

comments

Comentários no Facebook