Após 10 anos de tortura e sofrimento pelas mãos de Giordano, jovem de 29 anos é encontrada pela polícia

Jovem ficou 10 anos sob cativeiro e sofria agressões físicas de Aloisio Francesco Rosario Giordano

Uma romena de 29 anos foi encontrada pela polícia italiana. Ela estava trancada num porão sem água, luz ou sistema de esgoto da cidade de Gizzera, região da Calábria, junto com sua filha de três anos.

Porão onde a vítima e seus filhos ficavam (Imagem: BBC Brasil)

Pietro Tribuzio, comandante da polícia da cidade de Lamezia Terme, afirmou numa entrevista à BBC Brasil que “quando os agentes entraram, a jovem estava sentada no chão, com uma criança no colo, completamente no escuro, em meio a excrementos, insetos e ratos. Uma situação macabra, difícil de descrever”.

Banheiro que a vítima usava (Imagem: BBC Brasil)

Esse caso horrorizante é parecido com outras duas situações que aterrorizaram o mundo: o sequestro de Natascha Kampusch, que passou 10 anos num porão no subúrbio de Viena e Elisabeth Fritzl que ficou 24 anos em cativeiro, seguestrada e estuprada várias vezes pelo pai Josef Fritzl.

O porão em que a romena estava foi descoberta por acaso. Durante uma blitz de rotina que os policiais de Gizzeria fizeram no dia 9 de novembro, pararam Aloisio Francesco Rosario Giordano, de 52 anos, porque estava dirigindo em alta velocidade.

“Além das péssimas condições do carro, os policiais notaram uma criança dormindo no banco de trás. A grande diferença de idade entre o homem e o menino de 9 anos, que ele disse ser seu filho, o comportamento reticente e as respostas evasivas que fornecia, suscitaram a suspeita dos agentes (…) Ao levantarem sua ficha criminal, os policiais viram que Giordano já tinha sido condenado por sequestro e violência sexual, e decidiram segui-lo até sua residência”, disse Tribuzio.

Entrada do porão que ficava fechado com corrente e cadeado (Imagem: BBC Brasil)

Quando os policiais chegaram na casa de Giordano, além dela ser isolada e de difícil acesso da cidade, o homem teria dito que a mulher e a filha de três anos não estavam em casa naquele momento, segundo o comandante.

Ainda de acordo com Tribuzio, os policiais notaram que a porta de um galpão estava trancada com corrente e cadeado e mandaram que Giordano abrisse.

Segundo a imprensa local, Giordano escondia a chave dentro do seu carro. Quando eles abriram a porta, os policiais encontraram um porão assustador: tinha vários objetos acumulados, restos de comida, latas com excrementos e um colchão onde a jovem dormia com seus filhos.

De primeira, a mulher afirmou que vivia naquelas condições de comum acordo com Giordano e acabou transferida para um hotel da cidade com seus filhos. Mas dias depois, depois de receber assistência psicológica, ela começou a relatar a violência que ela foi submetida durante anos.

Entre outras agressões, a jovem contou que recebia vários golpes na cabeça e cortes no órgão genital e que esses ferimentos eram costurados por Giordano com linhas de náilon (usadas para pesca). Ela também afirmou que até seus filhos sofriam agressões físicas e que o homem obrigava as crianças a insultarem e cuspir na própria mãe.

As crianças nasceram no hospital de Catanzaro, mas depois do parto a jovem foi proibida de voltar no médico e os pontos foram retirados pelo próprio Giordano com uma pinça.

O terreno sendo de difícil acesso, ajudou a manter os 3 escondidos por muito tempo. Quando os professores da escola dos filhos perguntava pela mãe, Giordano transferia a criança de escola, para não levantar nenhuma suspeita.

Foto de Giordano (Imagem: CrimeOnline)

Mas como a jovem conheceu Giordano?

A romena chegou na Itália em 2007, quando tinha 19 anos. Ela foi para lá em busca de trabalho e uma vida melhor. Alguns meses depois, ela teria sido contratada por Giordano para cuidar da sua mãe doente (mas a “mãe” era sua esposa). “Sem saber, eu estava indo de encontro com aquilo que se revelou um inferno”, disse a jovem aos agentes.

Na defesa de Giordano, ele disse que a romena podia sair e voltar quando ela quisesse e também afirmou que os dois se amam, mas o relacionamento estava em crise.

Que fim o locão levou?

Giordano foi preso no dia 21 de novembro de 2017, mas essa é a segunda vez que ele é acusando de violência contra mulheres. Em 1995 ele foi condenado a 5 anos de prisão por sequestro, violência sexual e lesões corporais contra uma jovem de 23 anos.

Essa jovem disse que sofreu 2 abortos provocados por Giordano e que era submetida a violência física, inclusive na presença da mulher dele, uma marroquina com o qual eles tem 2 filhos.

Fontes: G1, BBC BrasilAcredite ou Não e CrimeOnline

Comments

comments

Comentários no Facebook