As verdadeiras histórias macabras que inspiraram a série American Horror Story: Asylum

Continuando nossa sessão das verdadeiras histórias por trás de AHS, esse post foi dedicado a segunda temporada, Asylum.

Como todos que assistem a série sabem, AHS renova completamente a cada temporada, mantendo apenas os atores e atrizes, mas acrescentando alguns. A segunda temporada, Asylum, traz o tema Manicômio e a história se passa em 1964.

A série acompanha pacientes, médicos e freiras que ocupam a Instituição Mental Briarcliff, que foi fundada para tratar e abrigar criminosos insanos. Os administradores do local são a severa Irmã Jude (Jessica Lange), em segundo comando a Irmã Mary Eunice (Lily Rabe) e o fundador da instituição Dom Timothy Howard (Joseph Fiennes). Os médicos encarregados de tratar pacientes no manicômio são o psiquiatra Dr. Oliver Thredson (Zachary Quinto) e o sádico cientista Dr. Arthur Arden (James Cromwell).

Segunda temporada AHS –  As verdadeiras histórias macabras que inspiraram a série American Horror Story: Asylum

Na trama, alguns pacientes afirmam que foram injustamente colocados lá dentro. A jornalista lésbica Lana Winters (Sarah Paulson), o acusado de assassinato em série Kit Walker (Evan Peters) e a suposta assassina Grace (Lizzie Brochere) fazem parte desses pacientes. O série ainda mostra elementos espirituais e científicos que manipulam os habitantes de Briarcliff, isso inclui possessão demoníaca e extraterrestres!!

Nem precisamos dizer que muitas dessas histórias são realmente verdade, né? Então confira abaixo:

 

O Caso de Abdução dos Hill

Verdadeiro casal Hill – As verdadeiras histórias macabras que inspiraram a série American Horror Story: Asylum

Na madrugada do dia 19 para o dia 20 de setembro de 1961,  o casal Barney e Betty Hill, estavam nas imediações de New Hampshire, quando Betty percebeu que tinha uma luz muito forte brilhando no céu que parecia estar seguindo o caro deles a distância.

No primeiro momento o casal não deu bola, achando que seria alguma estrela ou satélite, mas de repente a luz brilhante começou a diminuir a altitude e a se aproximar rapidamente do carro deles. Barney parou o carro no meio da estrada, pegou um binóculo e viu o objeto voador com formato de panqueca e luzes multicoloridas pairando sobre eles.

Assustado, Barney arrancou com o carro e correu o mais rápido possível. O casal disse ter sofrido um lapso de tempo de aproximadamente 2hrs (durante o qual teriam se deslocado com o carro por mais de 55km do lugar que eles teriam visto a nave, mas não tinham nenhuma memória sobre).

Verdadeiro casal Hill – As verdadeiras histórias macabras que inspiraram a série American Horror Story: Asylum

Esse estranho quadro de “amnésia” incomodava muito o casal. Depois disso, Betty começou a ter pesadelos frequentes na qual ela e o marido eram levados por criaturas humanoides para dentro de uma nave. Eles até procuraram um psiquiatra e fizeram sessões de hipnose separados, para ver o que havia acontecido.

Durante as sessões, eles descobriram que depois que Barney arrancou com o carro, o veículo morreu e a nave pousou na estrada. Os dois foram levados para o interior do objeto, examinados pelas criaturas e antes de voltarem, teriam recebido ordem de nunca mencionar o que aconteceu com ninguém!

O caso serviu de inspiração para a história de Kitt (Evan Peters) e Alma (Britne Oldford) na segunda temporada de AHS, o Asylum.  Além disso, Barney e Betty também formavam um casal interracial, isso em meio às lutas dos negros norte-americanos por direitos civis.

Kitt e Alma na série AHS – As verdadeiras histórias macabras que inspiraram a série American Horror Story: Asylum

Nellie Bly

Nellie era uma jornalista quando decidiu fingir sofrer de transtornos mentais para ser internada em um Asilo para mulheres na Ilha Blackwell. As situações vivenciadas por Nellie eram dignas de um filme de terror e foram relatadas ao jornal New York World, gerando uma ampla discussão sobre abusos e violências despendidas a pacientes em instituições de saúde.

Verdadeira Nellie Bly – As verdadeiras histórias macabras que inspiraram a série American Horror Story: Asylum

Os textos de Nellie, uma das veteranas do jornalismo investigativo, foram compilados no livro “Teen days in a Mad House“, lançado em 1987. Apesar de não ser homossexual assim como Lana Winters, personagem de Sarah Paulson na segunda temporada, Asylum, a história lhe serviu de inspiração.

Nellie Bly como Lana na série – As verdadeiras histórias macabras que inspiraram a série American Horror Story: Asylum

Além disso, o “tratamento” a que Lana foi submetida era comumente dispensado a pacientes homossexuais que, segundo os psiquiatras, deveriam ser convertidos. Pode parecer absurdo, mas até poucos anos atrás a homossexualidade constava como um dos muitos distúrbios psicológicos presentes no DSM, o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais.

Ed Gein

Verdadeiro Ed Gein – As verdadeiras histórias macabras que inspiraram a série American Horror Story: Asylum

Ed Gein é sem dúvida um dos assassinos mais conhecidos dos Estados Unidos. Apesar de não se enquadrar na descrição de serial killer, foi responsabilizado pela morte de apenas duas pessoas e suspeito do desaparecimento de outras 5. Gein ganhou fama por usar pele humana na confecção de máscaras macabras e objetos do dia-a-dia como abajures e puxadores de janelas.

Leia também: A História de Ed Gein: o cara que inspirou o filme “O Massacre da Serra Elétrica”

O cara costumava exumar corpos de senhoras de meia idade que se pareciam com sua mãe, morta em 1945. O maníaco chegou a fazer uma fantasia de mulher através de restos de corpos humanos! Coisas macabras!

Bloody Face na série AHS – As verdadeiras histórias macabras que inspiraram a série American Horror Story: Asylum

Ele inspirou vários filmes e séries, entre os mais famosos o Leather Face de O Massacre da Serra Elétrica, Norman Bates de Psicose e o Bufallo Bill de O Silêncio dos Inocentes. Também é a história por trás da personagem Bloody Face (Zachary Quinto) na segunda temporada de AHS.

Anne Frank

Verdadeira Anne Frank – As verdadeiras histórias macabras que inspiraram a série American Horror Story: Asylum

Anne Frank era uma menina judia quando teve que fugir com a família da Alemanha nazista. Por dois anos a família viveu escondida em Amsterdã, sendo traída e levada a um campo de concentração. Anne morreu com apenas 15 anos de idade, em 1945, mas todos as coisas macabras sofridos desde a fuga da Alemanha até sua morte foram registrados em um diário.

O pai da garota, Otto Frank, conseguiu sobreviver ao Holocausto e publicou as memórias da filha em 1947. Na segunda tempo – rada, Asylum, a personagem de Franka Potente afirma ser a garota, que sobreviveu e conseguiu fugir para a América.

Anne Frank na série AHS, segunda temporada – Essas verdadeiras histórias macabras que inspiraram a série American Horror Story vão deixar você fora de série

Lizzie Borden

Lizzie Borden real – As verdadeiras histórias macabras que inspiraram a série American Horror Story: Asylum

Lizzie foi acusada de matar toda a família a machadas em 1892, mas foi inocentada quando levada a julgamento e ninguém mais foi condenado. Lizzie tornou-se uma figura no folclore americano. As matanças, o julgamento e o impacto da cobertura dos jornais sobre Lizzie Borden se tornaram uma causa célebre, e tem permanecido firme na cultura pop americana e na criminologia como um dos mais famosos incidentes da Era Victoriana.

Disputas sobre a identidade do assassino continuam até hoje, sendo Lizzie uma das principais suspeitas. Sua história inspirou a personagem Grace Bertrand na segunda temporada, Asylum. Curiosamente, a atriz que interpretou Grace tem o mesmo primeiro nome da personagem da história original, Lizzie Brocheré.

Personagem de Lizzie Borden na série AHS – As verdadeiras histórias macabras que inspiraram a série American Horror Story: Asylum

 

Josef Mengele

Verdadeiro Josef Mengele – As verdadeiras histórias macabras que inspiraram a série American Horror Story: Asylum

Josef Mangele é um dos mais famosos médicos nazistas da história. Ele conduzia experiências desumanas com os internos de Auschwitz. Após a guerra, o médico fugiu para a América Latina, passando parte da sua vida na Argentina e também no Brasil. Morreu afogado no litoral de Bertioga, em 1979. Somente após a morte sua real identidade foi descoberta.

Na segunda temporada de AHS, Asylum, o dr. Arthur Arden (James Cromwell) também não era quem dizia ser. Seu nome verdadeiro era Hans Gruper, que conduzia experimentos em campos nazistas na década de 40 e também tinha um gosto pela mutilação de mulheres (como mostra na quarta temporada, em Freak Show).

Dr. Arthur Arden na série AHS – As verdadeiras histórias macabras que inspiraram a série American Horror Story: Asylum

Leia também: As verdadeiras histórias macabras que inspiraram a série American Horror Story: Murder House

Fontes: Séries do Momento, Noite Sinistra, American Horror Story Br e Mega Curioso

Comments

comments

Comentários no Facebook